quinta-feira, 12 de julho de 2007

e se

E se fosse verdade...
Esta noite sonhei com um grande texto. Não em tamanho, mas em valor, qualidade. Conciso, enxuto, eloqüente, perfeito. Daqueles que me tornariam “A Revelação”. O “Texto”, o “LIVRO”. ESCRITURA. Aquelas palavras que procuro desde que aprendi a ler, aquele mesmo texto que contém a chave, a senha para a realização de todas as verdades. Ele me foi repetido duas vezes, escrito direto no computador e publicado no meu novo blog. Começava com um número, 113. Alguma semelhança com um salmo? Uma voz o ditou e depois declamou ao fundo, enquanto eu o via impresso na tela.
Acordei: em um primeiro segundo lembrei-me, para depois esquecer. Saturno comendo seus filhos. Aquilo em um átimo tornado consciência e jogado de novo no esquecimento.
O primeiro parágrafo de um futuro romance foi recebido em sonho. Esse consegui escrever em um dos meus cadernos.
Mas o texto desta noite eu perdi. Penitenciei-me por não ter nada para escrever ao lado da cama. Até nisso eu preciso pensar? Não posso ir só para cama e dormir? Por outro lado, perder ESSE TEXTO?
Pode ter sido um mal entendido. Uma ilusão. Vivo me iludindo. Um falso sinal. E não uma inspiração.
A soma de 113 é 5, o número do humano (cinco dedos, cinco sentidos, aquela estrela formada pelo homem de braços abertos), não o do divino.

4 comentários:

André de Leones disse...

Olá, Eugenia.

Bem-vinda de volta!

Abraços.

Horvallis disse...

Estranha coisa, esses sonhos. Pensei nisso nesta manhã, porque acordei no meio de um sonho onde estava lendo uma revista, e via as imagens muito precisamente, e texto lido também era muito preciso e fazia sentido. Essa precisão nos detalhes me impressionou muito, dai essa pergunta : donde tudo isso vem ?
Beijos

Drica disse...

Nossa, Eugênia, isso acontece comigo também...sonho com textos, frases, acordo cantando músicas oníricas...e um segundo depois tudo se desmancha no ar...beijos

osrevni disse...

Já sonhei com coisas assim várias vezes. Não só texto: uma vez, sonhei que compunha a música mais linda de todos os tempos. Depois, sonhei que era escultor. Sem estudar, nem nada, só começava a quebrar uma pedra e virava uma coisa linda... Preciso dormir mais!